Barreiras na mobilidade laboral transfronteiriça preocupam CIM Alto Minho e Eures

A Comunidade Intermunicipal do Alto Minho (CIM Alto Minho), em colaboração com o Serviço de Emprego Transfronteiriço EURES-T Galicia – Norte Portugal, estiveram a analisar problemas práticos na área da saúde decorrentes da mobilidade laboral transfronteiriça.

São vários os problemas habitualmente levantados por trabalhadores transfronteiriços que vivem na Galiza e trabalham em Portugal ou vice-versa, como a atribuição de médico de família, a solicitação telemática de consultas de cuidados primários, a emissão de baixa médica, do cartão de saúde para trabalhadores residentes em Portugal e de receitas e respetiva percentagem de cofinanciamento ou situações que surgiram como consequência da COVID-19 (baixas laborais automáticas, isolamento profilático, etc.).

Fonte: Rádio Alto Minho, 11 de Outubro de 2022

Leia o artigo original aqui.

Partilhe este artigo nas suas redes sociais:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *